Google+

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

O poder das cortinas de crochê

Desde pequena, eu ouço meus pais elogioando cortinas de crochê.
Lembro certinho, quando ainda morava no Rio (até meus quatro anos) de, sempre que a gente passava num viaduto que é embaixo de um prédio (se alguém souber, conte-me qual!), minha mãe apontava uma tal cortina, que tinha pássaros, que era linda, que estava ali há anos, que ela queria igual, que...
A gente passava férias no Rio e, quando andava por aqueles lados: a cortina é linda, olha "minha" cortina, queria ter essa cortina, onde será que essa cortina foi feita...

Foto garimpada no Flickr
Clique aqui para saber de quem é


Anos se passaram e meus pais compraram um apartamento em Juiz de Fora (MG), onde moram até hoje. Como estávamos em Minas, terra de mulheres prendadas, as cortinas teriam que ser de crochê. Acho que lá em casa ficamos mais de ano sem cortinas nas salas porque meus pais não encontravam quem faria.

Até que acharam. Os olhos da minha mãe brilharam: a cortina sonhada por anos seria dela! Com os passarinhos, com isso e aquilo, procura um desenho, acha o desenho, compra barbante, entrega tudo para a crocheteira. E a crocheteira, depois de meses, dá para trás.
Acho que o desânimo foi tanto que numa viagem para Tiradentes (ou alguma outra cidade histórica) ela comprou os dois pares de uma que gostou, com desenhos que ela não queria.

Foto garimpada no Flickr
Clique aqui para saber de quem é

Há algumas semanas, aqui em Belo Horizonte, eu observei, na Afonso Pena, uma avenida enorme, que num apartamento de primeiro andar havia as tais cortinas: dois pares, em uma só janela; as do meio eram pássaros cuidando do ninho e as laterais desenhos geométricos. Era quase uma obrigação eu mostrar aquilo à minha mãe, quando ela viesse.

... continua aqui

7 comentários:

Beti Copetti disse...

Trabalho com croché é lindo e precisa de uma pacência infinita pra fazer cortinas ou colchas. Aqui, na praia onde moro, muitas casas têm as tais cortinas, ou, pelo menos, um bandô feito de croché, com motivos variados. Eu mesma, quando mudei pra cá, recebi de presente da minha irmã bandôs para as janelas,feitos de barbante, com desenhos de barquinhos. Depois, troquei as janelas e eles ficaram guardados. Ainda estão lá no armário.

Carola Rodrigues: disse...

TIRA esses coitados dos armários! rs

Eu acho bacana, fica um trabalho impressionista: de perto não é tão belo, vê-se a técnica.
Mas de longe você consegue pegar o que tentaram passar ali, uma imagem bonita, serena...

Claudia Stancioli disse...

Hummm, viaduto embaixo de um prédio, no Rio, tem na Gávea, ao lado da PUC. Ele passa pelo prédio e torna-se o túnel (hoje conhecido como Zuzu Angel) que chega em São Conrado, ao lado da Rocinha. É um prédio curvo, chamado Conjunto Residencial São Vicente. Não sei se tem outro viaduto com essas características, pode ser que tenha.

Carola Rodrigues: disse...

É esse mesmo!!!! :D

Claudia, você é um amor por saber disso! hahaha

claudia stancioli disse...

:D

Cris Paz disse...

Pronto Carola... e a culpa é sua! Sim, pq agora só terei olhos para cortinas de crochê para o novo estúdio da Chez Cris (vai demorar um pouquinho ainda...). Mas a busca vai começar a partir de agora!
Adorei a história e estou louca para ler a continuação. Vou colocar um link do seu blog no meu.
bj

P.S. Não deixe de postar!

Carola Rodrigues: disse...

Cris, a continuação está aqui:
http://pintinhocoloridinho.blogspot.com/2008/10/o-poder-das-cortinas-de-croch-2.html