Google+

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Coisas que devemos considerar...

... antes de adotar um gato.
Sim! Tem muitas coisas que não se fala e que antes de adotar aquela coisa linda, devemos levar em conta.
Quer ver?

- Eles podem viver até 20 anos (o meu mais velho tem 13 e a dos meus pais, 15);
- eles (quase certo) irão afiar as unhas nos estofados;
- eles podem pegar pulgas e o Frontline sai a 30-50 reais por mês, por alguns meses, para sanar o problema;
- o gasto com veterinário não é alto, mas são 50 reais de vacina, todo ano, e pelo menos uma consulta para saber se está tudo bem (mais 50 reais);
- sua casa vai ficar cheia de pêlo (a não ser que seja um Sphinx, aqueles sem nada);
- sua roupa vai ficar cheia de pêlo (a não ser que seja um Sphinx, aqueles sem nada);
- eles vão brincar com coisas que não devem, como talheres;
- eles podem vir a roubar a comida (que não é ração);
- talvez eles façam xixi ou demarquem território em alguma roupa, cama, estofado;
- eles VÃO estragar alguma coisa qualquer e você vai chorar;
- ele TEM que ser castrado, porque é um animal doméstico e o macho demarca território (uma espécie de mijo muito fedorento) e a fêmea dá escândalo por uma semana, no cio;
/edit - eles causam alergias, como vocês podem ler no comentário abaixo. /edit

Eu estou falando isso porque, pelo relato das ONGs que recolhem animais, muitos são abandonados por ter algum desses "defeitos". Se você acha alguma coisa aí inadmissível, considere não adotar um gatinho porque alguma ou várias irão acontecer SIM.
Eu tenho três gatos, um deles já mijou em mim, na cama, outro destruiu uma blusa, todos já tiveram pulgas, mesmo sendo em apartamento; eles já quebraram muitos objetos que moravam no meu coração, já estragaram meio quilo de filé mignon, que ia ser feito no almoço, minhas agulhas de crochê "aparecem" no chão, etc, etc, etc. E eu amo ter esses pequerruchos, mesmo com os percalços, que são muito mais que os descritos aqui.
Se você SABE que dá para encarar, não desanima, não é essa a ideia aqui. Eu quero é mostrar que um bichinho de estimação não é só fofo, dá trabalho, prejuízos e, se você adotar, ele é SUA responsabilidade e não de outra pessoa ou de uma ONG.

Estamos combinados, então? :)

APOIE A ADOÇÃO RESPONSÀVEL

5 comentários:

andrea disse...

boa carola... eu já vivi isso anos atrás quando resolvi adotar um gato mas não sabia que era mortalmente alérgica aos pêlos. fui parar no hospital, minha garganta fechou. resultado: muita decepção em ter que devolver o filhote de mala e cuia para a protetora no dia seguinte. se a pessoa nunca conviveu com gatos na vida e tem tendência a alergias (uma alergia puxa a outra) acho uma boa ideia fazer um teste indo a casa de alguém que tenha gatos e brincando um pouco com eles antes de fazer a adoção.

Carola Rodrigues disse...

Cruzes! Deve ter sido horrível passar por isso tudo. Além do susto, abrir mão do bichinho. :(

O texto é porque estou muito cansada de ler nos blogs das ONGs sobre a origem dos bichinhos; cansada de ver alguns, todo bobão, na rua, com alguém esperando para fazer alguma maldade.

Tomara que sirva para alguém tomar decisões conscientes, seja para adotar ou para realizar que não é o que deseja.

Cah disse...

Os meus gatos foram retirados da rua. O primeiro (todo preto com olhos mel) me deu muito trabalho, ele estava com um problema no intestino e cheio de verme. Suas fezes eram moles com sangue e muito fedorentas e ele fazia (varias vezes na epoca) em cima do meu edredon de 250 fios, no sofá, no casaco de uma visita, no chão e rolou em cima e em todo lugar que vc imaginar. Mas não desanimei, fizemos um tratamento e hoje ele só utiliza a caxinha de areia, é muito educado e medroso. Esse ano peguei outra na rua (toda mesclada de preto, branco e marrom), não me trouxe nenhum problema, mas passei duas semanas sem durmir pelo estranhamento dos dois. Hoje em dia eles se amam, dão banho um no outro, brincam de porradinha e dormem de conchinha. Mas minha cabeceira de corino praticamente não existe mais e o meu sofá tbm não. Mas não me arrependo, eles são demais e só trouxeram felicidades para o meu ap.

Gwenhywfar Leodegranz disse...

Cheguei aqui por que uma amiga passou o link via twitter;

Tenho 6 gatos e mais duas cadelinhas; todos de adoção;

Tenho rinite alérgica severa, mas trato com rigor, pq não abro mão de ter gavetas invadidas, ronronados altos no meu ouvido à noite (ou lambida com aquela lixinha no nariz), nem consigo viver sem "alguém" pra morder a caneta enquanto ecrevo, ou deitar sobre o teclado, ou sobre o jornal e atrapalhar quando faço palavras cruzadas. Aquele som absurdamente familiar de meus bibelôs indo pro chão, e das bolinhas de gude rolando pela casa.. Minhas cortinas todas com fios puxados (sim, eu tenho gatos!), e a briga pelo meu colo. Os pratinhos de leite morno no inverno, antes de dormir;

Viver sem eles seria me tirar o ar, muito mais do que me faz a minha alergia, controlada à base corticóides.

Minha garganta fecha mais com o nó que me embarga ao pensar que minhas menininhas estão ficando velhinhas, e que elas um dia partirão, e que não poderei retê-las nos meus braços, ouvindo o ronronado tão familiar...

Rogo a Deus que todos os bichinhos abandonados encontrem um lar amoroso, uma vida tranquila, paz.

Parabéns pelo post! Muita gente acha que bichinhos de estimação são como bichinhos de pelúcia, apenas fofos e mimosos, e geralemnte não estão preparados para lidar com os eventuais "dissabores"; Vale o alerta.

Carola Rodrigues disse...

Pô, fico feliz que mais gente tenha entendido que o escrito não foi um texto de ódio! hehe

Espalhem a ideia! Quem sabe assim não melhoramos a relação das pessoas com os animais? :)